Adeus 2011 que venha 2012!

Deixe um comentário Padrão

A primeira noite “de sono” em um aeroporto a gente nunca esquece… 

Principalmente, se você se depara com o aeroporto Heatrow (o principal e maior da Europa), deserto e em silêncio total. No entanto, para comemorar a passagem de ano em família, qualquer “sacrifício” vale à pena. E se esta envolver a visita internacional dos sogros então… 

Vencido este obstáculo, falar de viajar para a Alemanha é sempre complicado. Primeiro, porque calor de irmão é bom demais! Segundo, porque não é porque é minha irmã, mas anfitriões iguais a ela e meu cunhado estou para conhecer (são os melhores). Sem contar que, passear, comer, descansar, descobrir sempre alguma coisa nova nesse país encantador, além de colocar as notícias em dia estando perto da família dispensa comentários.

Fatos que só fortaleceram terminar e começar o ano de alto-astral e com o pé direito. Celebrando ao lado de pessoas tão especiais e queridas em nossas vidas. 

E assim terminamos 2011 e recebemos 2012. 

Por isso, quero desejar a todos um Feliz Ano Novo, repleto de saúde (o principal), sonhos, desejos e conquistas. Que o ano de 2012 seja muito melhor, mais intenso e vindouro. 

Feliz 2012!!!!!!!!!!!!!!!!!

Koblenz – Alemanha

Comentários 2 Padrão

A fim de aproveitarmos a primavera e o penúltimo dia em terras alemãs, o festival nacional de jardins, em Koblenz, foi o nosso destino.

Realizado entre os dias 15 de abril a 16 de outubro, o festival utiliza-se de alguns prédios públicos e municipais para o evento.

Ao custo de vinte euros, o visitante tem a possibilidade de percorrer e visitar todos os jardins, praças e canteiros. Além, de passear de teleférico sobre o rio Reno, nas estufas e avistar sobre a plataforma a cidade toda.

Um passeio encantador para aqueles que gostam de natureza, flores e plantas. Além de ser um belíssimo espetáculo para os olhos em plena primavera.

Budingen – a cidade dos sapos na Alemanha

Deixe um comentário Padrão

Após nossa chegada visitando Luxemburgo de surpresa, o Sábado só confirmou que não importa quantas vezes visite a Alemanha, minha irmã e meu cunhado, sempre nos surpreendem.

Hoje, tivemos como destino a cidade dos sapos, ou melhor, dizendo – Bundigen.

247

A cidade construída dentro de uma fortaleza medieval e a 40 km da cidade de Frankfurt é uma vitrine da história medieval alemã.

Em ótimo estado de conservação, a cidade que com o tempo se expandiu da muralha, gira em torno de sua história medieval e o turismo atraído pela lenda dos sapos, símbolo da cidade.

Segundo a lenda, no ano de 1522, o conde Anton Ysenburg zu und Büdingen, se casou com uma menina chamada Elisabeth. Na noite de núpcias, Elisabeth foi incomodada pelo coaxar de centenas de sapos fora do castelo.

Indignada, Elisabeth propõe o divórcio, gritando que Anton não havia lhe contado sobre o problema do local. No entanto, se ele fizesse algo para acabar com o barulho, ela continuaria sendo sua esposa.

Sem pensar duas vezes, o conde decreta que a cidade deva imediatamente expulsar todas as rãs. E com isso, todos os habitantes da época são acordados naquela madrugada pelo oficial de justiça e obrigados a começarem a caça contra todas as rãs existentes. Até as crianças ajudaram, invadindo os pântanos e bosques, com cestos, redes e cordas. E todos os sapos recolhidos, foram levados para o mercado da cidade.

De volta ao castelo, com o coaxar diminuído, a noiva beija agradecida o conde. Porém, o que fazer com todas as rãs no mercado, então? A idéia mais sensata encontrada foi de afogá-las no rio. E tendo como testemunhas do espetáculo Elisabeth e o conde, as rãs são amarradas nos cestos e mergulhadas no rio até não se ouvir mais nenhum coaxar.

Desde aquele dia então, o povo de Bundigen e a cidade vizinha Budingen Fraaasch, afirmam ter se tornado a cidade mais bela da Alemanha, e com o menor número de sapos. O que garantiu um final feliz para os habitantes, com exceção dos sapos. 

Afinal, será impossível você visitar Bundigen, sem se deparar com eles em todas as partes da cidade.

O que torna de Bundigen uma cidade agradabilíssima de visitar, seja lenda ou não sua história. E com um dos melhores kekabs que já provei na minha vida.

Trier – Alemanha

Comentários 2 Padrão

Não é que funcionou!

Após uma hora e vinte minutos de vôo, cheguei a terras alemãs. A primeira viagem em uma companhia low cost (custo baixo), saiu melhor do que eu imaginava. O que me motiva daqui pra frente a cogitar essa possibilidade.

Principalmente, se você tem uma irmã e cunhado que se prontificam a gastarem mais tempo de carro do que você de avião, só para irem te encontrar.

Com isso, afim, de fazermos uma pausa das duas viagens, Trier foi nossa parada.

A cidade natal de Karl Marx e Santo Ambrósio que foi fundada pelo imperador Augusto, foi sede do Império Romano nos séculos III e IV.

No século posterior, a cidade foi destruída por tribos germânicas, levando o número de habitantes da época de 70.000 a serem reduzidos a apenas 3.600.

Dessa época, no entanto, é possível encontrar a Porta Nigra (ruínas romanas), Kaiserthermen (ruínas das termas imperiais) e Amphitheater (ruínas do anfiteatro romano, cenário de competições entre os gladiadores e animais).

A Porta Nigra ou Porta Negra (séc. III) recebeu este nome, devido as pedras escurecerem com o tempo. Construída em blocos de pedra, sem argamassa, possui duas passagens que levam ao pátio interno, com duas galerias de defesa com grandes janelas. Além de ser a estrutura de defesa mais antiga do país.

Outra atração conhecida na cidade é a catedral de Liebfrauenkirche, construída entre 1235 e 1260 e um dos primeiros exemplos de arquitetura gótica no país. Em sua parte interna é possível observar os afrescos do século XV em doze colunas, simbolizando os apóstolos além de um manto sagrado protegido em uma sala sem acesso aos visitantes e fiéis.

  

Uma cidade que embora pequena em proporção seja rica em história e vale à pena a visita.